Volta às aulas contrasta com abandono de 342 mil alunos nas escolas

Sala de aula vazia da Escola Estadual Terezine Arantes Ferraz Bibliotecaria, no Parque Casa de Pedra, zona norte da capital.

As aulas presenciais em escolas públicas começaram nesta segunda-feira (7) em boa parte do país. Além de recuperar o tempo perdido com a pandemia, os gestores da educação precisam ainda encontrar os estudantes que abandonaram a escola no período.

Desde o início da crise sanitária, o projeto Busca Ativa Escolar identificou e rematriculou 80 mil crianças e adolescentes que estavam fora da sala de aula. A ação é uma parceria do Unicef, o Fundo das Nações Unidas para Infância, com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação, a Undime.

Estima-se que mais de 342 mil estudantes tenham abandonado as escolas no Brasil, principalmente no ensino médio, como destacou o presidente da Undime, Luiz Miguel Garcia.

Um dos estados que retomaram as aulas nesta segunda-feira (7) foi o Mato Grosso, onde existe a busca ativa por mais de 31 mil alunos. A secretária adjunta da Secretaria de Educação do estado, Alcimaria da Costa, ressaltou que, apesar de estarem matriculados em 2021, esses jovens não participaram das atividades no ano passado.  

Para a oficial de educação do Unicef no Brasil, Júlia Ribeiro, essas primeiras semanas são fundamentais para se identificar os alunos que ainda estão fora da escola.

O Unicef alerta ainda para a necessidade de reforçar a aprendizagem neste momento, pois o fechamento das escolas na pandemia teria prejudicado o ensino.

Um estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento, o BID, com pesquisadores da Universidade de Zurich, da Suíça, mostrou que os estudantes de São Paulo aprenderam, nas aulas online, apenas cerca de um terço do que teriam aprendido em aulas presenciais.

Edição: Sheily Noleto / Guilherme Strozi

Fonte: Rádio Agência Nacional

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.